domingo, 5 de junho de 2011

A princípio de junho

- E o amor, o amor, cara. O que eu faço com isso?
- Você esquece, sei lá. Não tem tanta importância assim.
(Caio Fernando Abreu)


Hoje eu quero escrever sobre qualquer coisa.
Qualquer coisa que não seja o amor.
Sobre a grama de casa com suas formigas.
Sobre a pedra no meio do caminho.
Sobre discos voadores.
Sem canções grandiosamente românticas.
Sem poemas ou poesias.
Sem príncipes, princesas e foram-felizes-para-sempre.
Eu só quero o que não inspira.
Eu só quero os sapos.
Eu só quero o intragável.
Nada sobre corações partidos.
Nada sobre vazios jamais preenchidos.
Nada sobre cicatrizes que nunca fecham.
Hoje eu só quero fingir que sou capaz de esquecer.
(Camila Aguilera)

0 comentário(s):