sexta-feira, 18 de maio de 2012

ENTREGO-ME

No dia que você chegou
Passei a querer viver
Morrendo, um pouco, às avessas
Até que nada aconteça
Somente eu e você
No mundo da minha cabeça
[5 a seco]

Só que acontece o que normalmente não deveria acontecer. Na minha vida há sempre algo que vai contra o normal. Estou sempre fazendo o movimento inverso. Enquanto as pessoas quebram a cara e se tornam mais frias, eu continuo aquecendo o mundo ao meu redor. E acreditando. Acreditando que um dia ainda aqueço de verdade o coração de alguém. Em par. Só que nesse momento, você deveria abrir a porta e se dar conta de que escrevo como se isso pudesse me salvar do fracasso que é ser eu. Hoje. Você bem que poderia abrir a porta e simplesmente me ouvir dizer que tudo foi muito mais intenso do que eu esperava que fosse. O sol iluminou demais. A tempestade foi muito longa. A vida inteira foi assim. E ainda tem você. De vez em quando eu vivo. Na verdade, é quase sempre. Hoje é que está tudo errado. Só existo. Dentro da noite. Dentro do dia que mal começou. Dentro do frio que faz lá fora. No meio dessas palavras que não fazem sentido. Essas palavras que não te alcançam. Eu quis o mundo inteiro. Depois me esqueci. Dos planos. Dos sonhos. De antes. Menos dos teus olhos. São eles que têm ficado em mim há dias. Enquanto meus olhos tentam decifrar o tempo e tudo ao seu redor. Agora, eu penso que deveria te dizer qualquer coisa que te convencesse a ficar. O problema é que você está sempre ficando. Marcando os dias com seu jeito de chegar, sorrir, piscar os olhos. São apenas algumas coisas que eu tenho reparado. E que gosto tanto. Não sei te dizer ao certo como foi que aconteceu. Sei que um dia desses eu percebi que era mais feliz quando você vinha. Não tenho certeza quanto ao dia da semana. A gente vivia se encontrando. A gente vive se esbarrando. O que eu mais gosto nesses dias assim é de sentir o seu cheiro misturado a cigarros e bebidas. E também do seu sorriso. E do seu jeito de olhar. Os teus olhos têm um brilho todo diferente. São eles que me fazem ficar sempre por perto. Meio estranho te dizer sobre essas coisas, mas é porque um dia eu me prometi que não esconderia de ninguém os meus sentimentos. Esses sentimentos que tenho e me fazem acreditar em tudo uma outra vez. Ninguém precisa saber da raiva que a gente carrega – mas saber que existe um gostar assim talvez seja bom -. Não consigo visualizar o momento em que a atração se tornou amizade que se tornou um encantamento que não passa. Sentimentos que se misturam e mesclam-se tão bem que já não sei distinguir o que sinto ao te ver falar, dançar ou dizer qualquer coisa sem sentido que me faz sorrir. Nem tão pouco consigo entender o que se passa quando nos damos um daqueles abraços que são só nossos. Mas os tempos são outros. Eu tenho muitos minutos a menos. Você ainda tem meses para alcançar. Enquanto escrevo, eu te vejo entrar por essa porta. Nesse quarto que você jamais pisou. Quase te toco com esse olhar que te desnuda pra dizer que te adora. Só que o dia de hoje está só começando e eu nada mais posso fazer do que simplesmente entender que será mais um dia em vão. Não adianta querer controlar o que sentir, quando sentir ou por quem sentir. Olha pra gente. Eu tô completamente perdida em você. Só que amanhã ou só alguns dias depois, eu quero te dizer sobre tudo que tem acontecido ao meu redor quando você chega e faz com que aconteça o que normalmente já não deveria acontecer e.

Por Camila Aguilera


1 comentário(s):

David A.I. disse...

Sentimentos... tão belos... tão dificeis... tão simples e complicados... tão indefiniveis!
Você é inspiradora, Camys!