domingo, 21 de fevereiro de 2016

21 DE JANEIRO DE 2016

“Estaremos apressados e deixaremos o amor passar.”

Quando você tem vinte e seis anos. Quando você transita facilmente entre a paz e o desconforto. Quando você ouve City and Colour. Quando você já não sabe o que sente. Quando você olha a bagunça do quarto. Quando você se deita e deixa pra depois. Quando você se levanta e deixa pra depois. Quando você respira tentando encontrar um resquício de vida. Quando você se apressa e o amor passa. Quando você para e o amor passa. Quando você já não mais procura. O amor passa. O amor passa. Passa. Quando você acredita que deva existir por ai. Em algum lugar. Em alguma pessoa. Em algum olhar. Quando você procura por ele em você. Em alguém. Colocando uma música pra tocar. Olhando alguma foto. Nada. Estaremos apressados e deixaremos o amor passar. O amor. Passar. The Magic Numbers. Quando tantos anos se passaram. Quando tantas pessoas foram embora. Quando tantos sentimentos foram esquecidos. Quando sua infância faz tanto tempo. Quando o primeiro amor faz tanto tempo. Quando tudo faz tanto tempo. Quando você troca de música. Pra você dar o nome. Quando o amor vem de vez em quando. Quando tira todo o seu folego. Quando deixa uma cicatriz. Quando você insiste. Quando você tenta escrever. Nenhuma bebida. Nenhum cigarro. Apenas você. Quando você tenta se salvar. Quando só há silêncio. Quando a vida precisa daquela injeção de café que ninguém dá, só você. Só que você não consegue. Não consegue. Quando você respira. Respira. Quando você quer deixar tudo para trás. Esquece. Estaremos apressados e deixaremos o amor passar. Você andará rápido demais e deixará o amor passar. Eu estarei apressada e deixarei. Deixarei passar. 

Por Camila Aguilera